Férias no Chile Parte V - Comidas e Restaurantes

4.2.15


Uma parte importante de viajar é comer do bom e do melhor. É o que todos falam e eu concordo. Mas tenho que confessar que eu sou beeem fresca e não saio muito da minha zona de conforto. Não tinha ideia de qual era a comida típica do Chile antes da viagem. E continuo sem saber direito! Eles comem muitos frutos do mar, mas a maioria dos restaurantes é de comida peruana (principalmente ceviche, que eu acho bem sem graça)!


O highlight grastronômico da viagem, aliás, foi o jantar no Astrid y Gastón, restaurante peruano nomeado o 18° melhor do mundo em 2014 e o melhor da América Latina em 2013. É preciso reservar com antecedência, pois todos os brasileiros querem jantar lá (e tirar foto dentro da cozinha). O menu não tem mais de 10 pratos (quando fomos eles estavam sem foie gras #chateada). Eu escolhi o mais básico (carne com batata), mas passei mal depois. MUITO mal. Como tinha comido sushi no almoço, não posso apontar o culpado. Apesar disso, achei a comida boa sim. Mas acho que não vale o título nem o preço.


Outro highlight foi a ida ao Mercado Central para comer a famosa Centolla, um caranguejo gigante. Escolhemos o restaurante Tio Willy, que, apesar de ser o mais feinho, tinha as melhores resenhas. Tivemos a introdução ao Pisco Sour (versão chilena/peruana da nossa caipirinha) e pedimos a salada com Centolla. O garçom disse que vinha mais do que o prato que é o caranguejo inteiro, além de ser mais fácil (já vem em pedaços) e mais barato! Honestamente? Achei meio sem graça, faltou tempero. 

Logo no primeiro dia (véspera de Natal, quase tudo fechado) almoçamos no Liguria, que era grudado no nosso hotel. Metade do cardápio não estava disponível (não sei se isso é comum ou a culpa era do feriado). Eu e meu pai pedimos peixe, que parecia mais uma canja com pescado no lugar do frango, e minha mãe pediu macarrão, que vinha com ingredientes que não constavam na explicação do prato - como feijão! Depois fomos ver que este restaurante era super indicado, mas acho que deu para perceber que nós não curtimos, né? Sem graça...


Dois lugares que recomendo são a sorveteria C'est Si Bon - vem bastante e é muito bom -  no Shopping Parque Arauco (lá tem muitos restaurantes bacanas na área aberta e uma praça de alimentação com redes fast food) e o Patio Bellavista (link), um espaço super legal com diversos restaurantes. Nós almoçamos no Tambo (a salada foi meio sem graça, recomendo os risotos de frutos do mar), mas achei o Backstage Life e o Cebicheria Constituición (foto abaixo) muito fofos. Recomendo ir à noite, pois tem música ao vivo e deve ser mais badalado. O bairro Italia também pareceu uma boa opção de passeio + refeição, mas eu ainda estava passando mal quando fomos lá, e acabamos pulando o almoço.



Uma coisa que eu achei muito estranha foram estas pizzas e cachorros quentes em exposição em alguns restaurantes do centro. Quando vi pensei até que fosse comida de mentira! Tem de várias combinações bizarras (eles adoram abacate em tudo), parece nojento e nem é barato (~R$20)!

Por falar em preço, comer em Santiago pode sair caro. Os pratos (independente da aparência do restaurante - sem contar os mais phynos como o A&G) costumam ser individuais e na casa dos R$30/40 (e arroz é a parte, que absurdo!). A lata de refri sair por R$8 e um copo de suco natural por R$10. Se quiser gastar menos terá que forrar o estômago em redes de fast food - lá tem Mc Donald's, KFC, Taco Bell e mais - ou comprar comida no supermercado! Ah, e a Castaño, um mix de padaria e loja de conveniência que está em cada esquina, pode ser útil ;)


Quem já foi para Santiago, alguma indicação?

Você talvez goste

0 comentários

Siga no Pinterest

Curta no Facebook