Resenha Garnier Miracle Skin Cream

segunda-feira, 30 de novembro de 2015


Um creme branco que quando é espalhado ganha cor? Eu chamo de mágica! O primeiro deste tipo que eu conheci foi o Origins VitaZing. As gringas falavam super bem, mas era um produto caro e não parecia essencial. Elas o usavam como um primer antes do BB Cream ou da base. Quando eu vi que o então lançamento da Garnier – bem mais barato - estava sendo comparado a ele, resolvi experimentar.

O Garnier Miracle Skin Cream Anti-Ageing Skin Transforming promete MUITA coisa. Só o nome já diz que é milagroso e anti-idade! Apesar disso, minhas expectativas não eram muito altas em relação a estas promessas já que as resenhas não mencionavam estes 'poderes'.


O produto vem em um tubinho de 50ml, sendo higiênico, prático e fácil de carregar no nécessaire. O que me incomoda é a falta de informação nele! Preferia que tivessem escrito o que está na caixa ao invés do nome em onze línguas. Da primeira vez que usei passei protetor solar antes pois não sabia que ele tinha FPS 20.

O jeito que eu gosto de usar o Garnier Miracle Skin Cream é como um BB Cream. A cobertura é super leve (parecida com a do Maybelline Dream BB Cream - resenha) mas ainda assim uniformiza o tom da pele e dá um glow que a deixa com aparência mais saudável. Isto é suficiente para mim (claro que uso corretivo depois), mas tenho certeza que muitas pessoas preferem usá-lo como primer e passar uma base depois. Eu também o uso misturado com um BB Cream que está muito claro para mim já que o Garnier é mais escuro.


Por falar em cor, o Miracle Skin Cream sai branco do tubo e conforme você espalha, a cor vai surgindo. Apesar de dizer que se auto-ajusta ao tom de pele, ele fica mais escuro e alaranjado do que a minha cor NC20. Só consigo usar no verão, quando estou mais bronzeada. Ainda não tomei sol neste ano, só passei um pouco de hidratante auto-bronzeador, então o meu pescoço ainda está mais claro. Por isso não recomendo para pessoas mais branquinhas do que eu.

A textura é bem cremosa, como um hidratante mesmo, então eu passo com os dedos e depois uso o EcoTools Custom Coverage Buffing Brush (resenha) para aperfeiçoar a aplicação. O efeito dele é natural e luminoso, sem ter partículas de brilho. Eu, que tenho pele seca e sem graça, gosto, mas pessoas com pele oleosa teriam que passar um pouco de pó. Outra questão que talvez incomode é o cheiro. Eu não acho ruim, mas é forte e permanece o dia todo.

Mas e aí, é milagroso?? Eu não fiz o teste de usar 28 dias seguidos mas o comprei há sete meses (mostrei aqui neste de post de comprinhas) e uso ocasionalmente. Não percebi redução de linhas de expressão nem de manchinhas, e minha pele não ficou mais firme. Apesar disso, acho que o efeito instantâneo é positivo para um produto com cobertura tão baixa. Ou seja, não tem um efeito milagroso duradouro, mas é um bom produto para quem quer uma pele mais uniforme, bronzeada, iluminada e protegida. Eu gosto e recomendo, exceto para quem tem pele mais clara ou extremamente oleosa.


Você também pode ver o Garnier Miracle Skin Cream em uso aqui e misturado com o NARS Radiant Tinted Moisturizer (resenha) aqui. Não encontrei mais esta versão para vender, mas não acredito que o produto tenha mudado, eles apenas adicionaram o 'Care for Dry Skin' (para peles secas) para aumentar o já longo e pomposo nome. Está disponível aqui na Feel Unique por £12,99 (~R$75).

Seja o primeiro a comentar