2016, o ano da Zika

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017


Acho que já é senso comum de que 2016 foi um ano ZIKAdo para o mundo. Não teve dinheiro (quem pensava que a crise ia melhorar se enganou), não teve amor (daria para fazer um post inteiro só com os casais que, surpreendentemente, se separaram), não teve saúde (zika, microcefalia) e não teve paz (guerras, terrorismo, racismo, homofobia). Os memes (aliás, eles continuaram bombando em 2016) pedindo o fim da retrospectiva resumiram bem nossos sentimentos. Resolvi fazer a minha para lembrar que aconteceram sim coisas boas em 2016, a gente é que tende a focar na parte ruim.

Tendo isso em mente, devo dizer que o saldo deste ano foi positivo para mim. Especialmente quando eu penso que tem gente passando por muito perrengue, eu tenho muito a agradecer (apesar de estar quase sempre reclamando).

COISAS BOAS QUE ACONTECERAM EM 2016

Compramos um apartamento! Definitivamente o acontecimento do ano para mim e para a minha família. Estávamos morando de aluguel desde 2010 e queríamos muito um lugarzinho para chamar de nosso. Temos terraço, uma vista para a cidade (vulgo, centenas de prédios), uma cozinha mais espaçosa, um mini escritório para o meu pai, uma suíte só minha (pela primeira vez na vida), uma banheira que provavelmente só eu irei usar. Yuppie!

Fui demitida! Você deve estar pensando porque isto é bom se 1) ser demitida não é legal e 2) eu escrevi no ano passado (aqui) que eu não queria que isso acontecesse. Mas eu recebi um dinheiro que eu não estava esperando (nenhuma fortuna, mas muito bem vindo e usado) e...

Continuei trabalhando! Faço a mesma coisa, com as mesmas pessoas (menos algumas), ganhando (quase) a mesma coisa. Tudo isso do conforto da minha residência. Home office definitivamente tem suas vantagens: acordar mais tarde, não precisar se arrumar, não ficar duas horas por dia dentro do busão (aprecio especialmente quando está muito frio/calor ou chovendo), menos contato humano.

Estamos bem! Apesar de um ter diabetes, o outro estar velhinho, a outra ter refluxo, a outra dor de barriga, minha família está bem e eu sempre agradeço por isso. 

E AS NÃO TÃO BOAS

Comprar um apartamento não é fácil! É absurdamente caro, exige o consenso de todos os membros da família (o que resultou em alguns desentendimentos), e, no nosso caso, foi feito às pressas (e a gente sabe que a pressa é inimiga da perfeição né). Além disso, vivemos uns bons meses na bagunça, na poeira, no barulho. Sim, sei que estou reclamando de mão cheia, mas é a verdade.

Fui demitida! Apesar de ter tido o lado bom, não foi fácil. Meses de tensão e especulação antes de a empresa encerrar as atividades; ter que dar adeus aos coleguinhas, aos benefícios de ser CLT, aos restaurantes e ao estilo de vida da Vila Madalena; as incertezas da nova empresa; ter muito mais trabalho por ser a única analista; fazer home office. Pois é, ele também tem dois lados. Apesar de eu ser introvertida, sou humana e preciso interagir com outros da mesma espécie, coisa que não fiz muito em 2016. Além disso, estar sempre no local de trabalho (e ter o e-mail no celular!) faz com que você não se desconecte nunca e isso traz muita ansiedade e estresse.

Enfeiei! 2016 não foi um ano bom para a minha aparência. Começou com resquícios daquela alergia no olho, depois tive molusco contagioso (o nome e as imagens do Google fazem parecer pior do que realmente é), minha pele resolveu ficar oleosa (a ponto de perguntarem se eu estava transpirando - não, era um dia de outono e e o ar-condicionado estava ligado, eu estava de boa), tive mais espinhas do que quando passei um mês comendo junk food na Austrália e, mais para o final do ano, meu cabelo quis relembrar seus tempos de adolescência (raiz oleosa, e comprimento seco esturricado, muito muito frizz, cachos mal definidos e mais armado do que chefe de quadrilha). Ah, já mencionei as rugas?

DESEJOS PARA 2017

Tempo! Para brincar de maquiagem, escrever no blog, ir ao cinema, ver séries com a família, fazer a contabilidade (sério, eu não faço há seis meses... estou ferrada), organizar minha vida.

Arrumar o apartamento! Mandar fazer minha escrivaninha/penteadeira, comprar as cadeiras da cozinha, decorar, etc.

Não ficar na pindaíba! 2017 vai ser um ano apertado por causa dos gastos com o apartamento, mas espero que a gente dê conta.

Saúde! Para conseguir realizar meus desejos.


Quanto aos desejos para 2016, os únicos que eu consegui realizar foram: mudar de apartamento e tomar menos refrigerante (só por dois meses, mas já conta né?).


Qual seu maior desejo para 2017?

Seja o primeiro a comentar